ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA RELAÇÃO ENTRE O EMPREENDEDORISMO E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO PLANALTO NORTE CATARINENSE

Regiane de Jesus Buss, Carlos Otávio Senff

Resumo


São numeráveis as variáveis que impactam no desenvolvimento de uma região. Compreender essas relações é fator determinante no estabelecimento de políticas mais acertadas. O objetivo deste estudo é analisar a relação entre o empreendedorismo e o desenvolvimento regional na microrregião do Planalto Norte Catarinense. No quadro teórico foram discutidos os conceitos de empreendedorismo e de desenvolvimento, este, especificamente a partir de uma visão mais ampla do que puramente a questão econômica. Os aspectos metodológicos utilizados para relacionar estes dois indicadores, foi uma pesquisa descritiva quantitativa, ex-post-facto, do tipo transversal. Os dados secundários foram obtidos de fontes oficiais, sendo analisados por meio de estatística descritiva básica, correlação entre as variáveis e regressão linear múltipla. Considerando os 10 municípios analisados, os principais resultados evidenciam que os empreendedores se encontram em todos os níveis de instrução escolar. Com relação as classes sociais, constatou-se que existem associações positivas e significativas com as classes A2, B1 e B2 e associações negativas e significativas com as classes C2, D e E. Além disso, se verificaram associações positivas e significativas do índice de empreendedorismo com o consumo per capita, IDHM e com a população urbana das cidades pesquisadas. Dentre os previsores analisados que impactam na variável dependente desenvolvimento regional na análise de regressão linear múltipla, somente a variável consumo per capita apresentou-se significativa (p<0,05) com βpadronizado de 0,647 e valor t= 2,669. Conclui-se que o estudo demonstra evidências de que o estímulo ao consumo por meio de investimentos, estímulo ao crédito, bem como o equilíbrio no endividamento podem gerar o desenvolvimento regional nos municípios analisados

Palavras-chave


Consumo; Qualidade de Vida; Renda; Escolaridade; Classes Sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ABCQ: Associação Brasileira de Controle de Qualidade. 2013. Disponível em: http://www.abcq.com.br. Acesso em: 03 mar. 2018.

ACS, Z. How is entrepreneurship good for economic growth? Innovations: Technology, Governance, Globalization, v. 1, n. 1, p. 97-107, 2006.

AMORIM, A. Economia e realidade. 23 maio 2007. Disponível em: http://www.economiaerealidade.com/2007/05/diferenas-entre-crescimento-econmico-e.html. Acesso em: 28 jul. 2017.

BABBIE, E. The practice of social research. 11th ed. USA: Thomson Wadsworth, 2007.

BARDIN, I. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994.

BARROS, C. A.; DE OLIVEIRA, T. L. Saúde mental de trabalhadores desempregados. Revista Psicologia: organizações e trabalho, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 86-101, nov. 2009.

BARROS, M. D. et al. Análise multicritério em dados sobre empreendedorismo: um estudo bibliométrico. Revista Produção Online, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 1069-1089, set. 2017. Disponível em: https://producaoonline.org.br/rpo/article/ view/2764. Acesso em: 20 jul. 2018.

BRASIL. Governo Federal. Brasil empreendedor em números. 23 dez. 2017. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2012/02/brasil-empreendedor-em-numeros. Acesso em: 24 mar. 2017.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Indicadores: orientações básicas aplicadas à gestão pública. Brasília: Ministério do Planejamento, 2012.

CARVALHO, R. N. Empreendedorismo: importância econômica e social. 2013. Disponível em: http://www.administradores.com.br. Acesso em: 10 jul. 2018.

CIMADON, J. E. Empreendedorismo na gestão de empresas criada por necessidade. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2008.

COHEN, Jacob. Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 2008.

COLBARI, A. A retórica do empreendedorismo e a formação para o trabalho na sociedade brasileira. In: CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS; 8., Coimbra, 2004. Anais... Coimbra, 2004.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos em pesquisa em administração. 7.ed. Porto Alegre: Bookmann, 2003.

CRUZ, A. S. O processo empreendedor. Revista Eletrônica Administradores, 2011. Disponível em: www.administradores.com. br. Acesso em: 31 ago. 2018.

DALLABRIDA, V. R. Desenvolvimento regional: porque algumas regiões se desenvolvem e outras não? Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011.

DALLABRIDA, V. R. Governança territorial: a densidade institucional e o capital social no processo de gestão do desenvolvimento territorial. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Anais... Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2006. V. 1, n. 3, p. 1-19.

DALLABRIDA, V. R. O desenvolvimento regional: a necessidade de novos paradigmas. Ijuí: Ed. da UIJUÍ, 2000.

DOLABELA, F. O segredo de Luísa. São Paulo: Cultura, 2004.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 7.ed. São Paulo: Empreende, 2018.

DRUCKER, P. F. Inovação e espirito empreendedor: entrepreneurship: prática e princípio. São Paulo: Guazzelli, 2002.

ESCOSSIA, C. O que é: crescimento e desenvolvimento econômico? 25 set. 2009. Disponível em: http://www.carlosescossia.com. Acesso em: 28 jul. 2017.

FAAP: Fundação Armando Alvares Penteado. Empreendedorismo: a revolução do novo Brasil. 2003. Disponível em: http://www.faap.br/revista_faap/ rel_internacionais/empreendedorismo.htm. Acesso em: 02 abr. 2017.

FECAM: Federação Catarinense de Municípios. Dados dos municípios de Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

FRANCO, A. Porque precisamos de desenvolvimento local integrado e sustentável. 2.ed. Brasília: Instituto de Política, 2000.

FREY, M. R.; WITTMANN, M. L. Gestão ambiental e desenvolvimento regional: uma análise da indústria fumageira. Revista Eure, Santiago do Chile, v. 32, n. 96, p. 99-115, ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

GEM: Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil, 2008. Curitiba: IBQP, 2009.

GEM. Empreendedorismo no Brasil, 2011. Curitiba: IBQP, 2011.

GEM. Empreendedorismo no Brasil, 2012. Curitiba: IBQP, 2012.

GEM. Empreendedorismo no Brasil, 2016. Curitiba: IBQP, 2017.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GOMES, A. F. O empreendedorismo como uma alavanca para o desenvolvimento local. REA: revista eletrônica de administração, v. 4, n. 2, jul./dez. 2005. Disponível em: http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rea/ article/view/192. Acesso em: 20 ago. 2018.

GOUVÊA, M. F. Desenvolvimento regional: princípios, significado e instrumentos. 2011. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo. Acesso em: set. 2018.

HAIR JR., J. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HERRERA, K. M. Uma nova abordagem na construção de indicadores de gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 1236-1237, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2013000300027&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 jul. 2018.

IBQP: Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade. 2014. Disponível em: http://www.ibqp.org.br/. Acesso em: 06 jul. 2018.

IGLESIAS, P. F. O crescimento do empreendedorismo o Brasil. Revista JusBrasil, 2016. Disponível em: https://pbliglesias.jusbrasil.com.br/artigos. Acesso em: 06 set. 2018.

JUNG, C. F. Metodologia para pesquisa & desenvolvimento: aplicada a novas tecnologias, produtos e processos. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2004.

LUECKE, R. Ferramentas para empreendedores. 3.ed. Rio de Janeiro: Record, 2009. (Coleção Harvard Business Essentials).

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MARTINS, R. D.; VAZ, J. C.; CALDAS, E. L. A gestão do desenvolvimento local no Brasil: (des)articulação de atores, instrumentos e território. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 44, n. 3, p. 559-590, jun. 2010.

MATTEDI, M. A. Pensando com o desenvolvimento regional: subsídios para um programa forte em desenvolvimento regional. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional (RBDR), Blumenau, v. 2, n. 2, 2014.

MELO, N. M. SEBRAE e empreendedorismo: origem e desenvolvimento. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2008.

MENDES, J. Manual do empreendedor: como construir um empreendimento de sucesso. São Paulo: Atlas, 2009.

ODA, L. S. Empreendedorismo e inovação: a moeda para o sucesso nos negócios. SEBRAE, out. 2017. Disponível em: http://blog.sebrae-sc.com.br/empreendedorismo-e-inovacao/. Acesso em: 06 set. 2018.

OIT: Organização Internacional do Trabalho. Desenvolvimento local. Turim, Itália: Centro Internacional de Formação, 2015. Disponível em: www.itilo.org. Acesso em: 03 ago. 2018

PAULA, J. Desenvolvimento local: como fazer? Brasília: SEBRAE, 2008.

PEREIRA, G. D. F. et al. Empreendedorismo regional: um olhar sobre a identidade cultural em narrativas locais. In: ENCONTRO DA ANPAD, 36; Rio de Janeiro, 2012. Anais... Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.anpad.org.br. Acesso em: 12 ago. 2017.

PETRENTCHUK, L. W.; SCHINATO, F.; MARCHESAN, J. Possibilidades e desafios do manejo de fragmentos de floresta ombrófila mista como alternativa de desenvolvimento no planalto norte catarinense. DRd: desenvolvimento regional em debate, v. 6, n. 2, p. 104-126, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www.periodicos.unc.br/index.php/drd/article/view/1207. Acesso em: 06 set. 2018.

PORTO, G. S. Pesquisa quantitativa. São Paulo: USP, 2011. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br. Acesso em: 07 set. 2018.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD); INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA); FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO (FJP). Atlas de desenvolvimento humano no Brasil. 2013. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/o_atlas/idhm/. Acesso em: 05 mar. 2018.

RIBEIRO, M.; MANDELBAUM, B. Desemprego: uma abordagem psicossocial. São Paulo: Blucher, 2017.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

RICHERS, R. Desenvolvimento: um desafio social. Revista de Administração de Empresas, v. 10, n. 2, p. 41-69, 1970.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Serie Economistas).

SEBRAE: Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas. Santa Catarina em números: macrorregião norte. Florianópolis: Sebrae/SC, 2013.

SEBRAE. Sistema de indicadores econômicos dos territórios. Brasília: SEBRAE, 2014. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/customizado/ desenvolvimento-territorial/temas-relacionados/indicadores-de-desenvolvimento. Acesso em: 03 jul. 2018.

SEBRAE. Empreendedorismo recorde na região sul, 1 abr. 2015. Disponível em: http://www.sebrae-rs.com.br/index.php/noticia/2868-empreendedorismo-recorde-na-regiao-sul. Acesso em: 03 jul. 2018.

SILVA, A. L.; CUNHA, C. J. C. A. Busca de oportunidades: o caminho da competitividade. Revista Gestão & Produção, v. 1, n. 1, p. 89-97, abr. 1994. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/gp/v1n1/a06v1n1.pdf. Acesso em: 03 set. 2018.

VARELLA, S. R.; MEDEIROS, J. B.; SILVA JUNIOR, M. T. O desenvolvimento da teoria da inovação Schumpeteriana. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO; 32. Bento Gonçalves, 2012. Anais... Bento Gonçalves: ABEPRO, 2012. Disponível em: http://www.abepro.org.br. Acesso em: 04 jun. 2017.

WENNEKERS, S.; THURIK, R. Linking entrepreneurship and economic growth. Small Business Economics, v. 13, n. 1, p. 25-55, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v5i1.7346

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rodapé - Baru
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (24/08/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.