Desterritorialização e Perda da Aura: uma análise da cronica de Jose Fernandes

Rosimeire Soares da Silva, Maria Aparecida Rodrigues

Resumo


Resumo: este estudo, de cunho teórico, objetiva demonstrar como a crônica de José Fernandes, por se tratar de um objeto artístico literário contemporâneo, promove nova leitura mediante a desterritorialização e perda parcial da aura. Sobre isso, questiona-se: a crônica, em seu processo evolutivo e em meio à era da reprodutibilidade artística, perdeu a aura? Foi emancipada? Para tanto, este estudo está ancorado na teoria estética de Benjamim, territorialização e desterritorialização de Deleuze e Guatarri; cronotopo e dialogismo de Bakhtin. Como recorte metodológico, utilizou-se a pesquisa teórica com abordagem qualitativa e ênfase no conceito de arte como fenômeno estético-discursivo, passível de interpretação crítica. E no que se refere ao modo de tratamento do objeto de estudo, trata-se de uma pesquisa bibliográfica com amplitude descritivo-explicativa. Assim, a crônica de JF nega alguns postulados a respeito desse tipo de narrativa curta e se configura como o Fiat criador enquanto gênero ficcional.
Palavras-chave: Crônica Contemporânea. Aura. Desterritorialização.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/gua.v6i1.5673

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


GUARÁ | Departamento de Letras | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-4957 | Qualis B2